Vinhos Maria Chaves recebem duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos

Vinhos Maria Chaves recebem duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos

O Vinho Maria Chaves (Santa Luzia (branco) e Pico do Fogo (reserva) produzidos nas encostas do vulcão do Fogo pela Adega de Monte Barro, conquistaram duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos realizado no Vale da Aosta, região autónoma do noroeste de Itália, que decorreu de 12 a 14 de julho último.

O concurso Mondial des Vins Extrêmes (Mundial de Vinhos Extremos) foi realizado pelo Centro de Investigação e Valorização da Viticultura da Montanha (CERVIM), em colaboração com o Departamento de Agricultura da Região Autónoma do Vale de Aosta, o Vival (Associação dos Produtores de Vinho do Vale de Aosta) e a seção AIS – Valle d’Aosta, com o patrocínio da OIV (Organização Internacional da Vinha e do Vinho) e da VINOFED (Federação Internacional das Grandes Competições Vitivinícolas).

A competição seleciona os melhores vinhos que são fruto da viticultura extrema com o objetivo de promover e salvaguardar a produção de pequenas áreas produtoras de vinho que se caracterizam pela história, tradição e singularidade, de grande valor ambiental e paisagístico onde predominam as videiras autóctones.

Os vinhos apresentados estão divididos em 9 categorias:

1 – Vinhos brancos com vintages 2017, (com resíduo de açúcar até 6g/l);

2 – Vinhos brancos para o ano de 2016 e anos anteriores (com teor de açúcar residual até 6g/l);

3 – Vinhos brancos semidoce, com teor de açúcar de 6,1 a 45g/l;

4 – Ainda vinhos tintos com safras 2017 e 2016;

5 – Ainda vinhos tintos 2015 e anos anteriores;

6 – Vinhos ainda rosados;

7 – Vinhos espumantes;

8 – Vinhos doces (com teor de açúcar residual superior a 45,1g/l);

9 – Vinhos licorosos.

No final das degustações, o ranking é elaborado de acordo com a pontuação adquirida, Os prémios são divididos em Grande Medalha de Ouro, Medalha de Ouro e Medalha de Prata, além de prémios especiais para o melhor vinho e a melhor adega pelo país participante, o melhor vinho de sempre, o melhor vinho orgânico e / ou biodinâmico, o melhor vinho produzido em pequenos, o melhor produtor jovem (menos de 35 anos), a melhor mulher produtora, um destinado à região vinícola participante com o maior número de vinhos e um prémio dedicado ao melhor vinho produzido a partir de uvas caipiras.

O Santa Luzia da Maria Chaves concorreu na categoria 2 – Vinhos Brancos Tranquilos Safra de 2016 e Precedentes (com açúcar residual com até 6G/L) e Pico do Fogo da Maria Chaves na categoria 5 – Vinhos Tintos tranquilos da colheita de 2016 e anterior).

Entre os novos países desta edição 2018, constam Chile, Cabo Verde, Israel, Macedónia, Eslováquia e Polónia, mas também alguns retornos de boas vindas, como o Líbano e Cazaquistão.

Suíça, Espanha, Alemanha, Geórgia, Grécia, Itália, França, Portugal constaram também dos países concorrentes.