Notícias/Eventos

Prémio do International Taste Institute para Gin Oásis

Há dois anos iniciaram um levantamento pelas ilhas para identificar e seleccionar componentes que poderiam dar origem a um produto único e diferenciador.

Mais informações em: https://anacao.cv/grupo-oasis-atlantico-recebe-premio-do-international-taste-institute-pelo-seu-gin-oasis/

Emprofac já colocou no mercado 64.000 máscaras ‘made in’ Cabo Verde

Cerca de 64 mil máscaras comunitárias produzidas em Cabo Verde, para prevenir a transmissão do novo coronavírus, já foram colocadas no mercado cabo-verdiano, disse, em entrevista à Lusa, o presidente da empresa pública Emprofac, Fernando Gil Évora.

Saiba mais em: https://expressodasilhas.cv/pais/2020/05/22/emprofac-ja-colocou-no-mercado-64000-mascaras-made-in-cabo-verde/69578

iFome primeira empresa nacional classificada no no Startup Blink

A startup cabo-verdiana iFome está classificada na primeira posição entre 12 outras nacionais no Startup Blink, uma agência que se dedica a mapear ecossistemas tecnológicos no mundo inteiro.

Mais informações em: http://www.rcv.cv/index.php?paginas=21&id_cod=24563

PrimeBotics usa drones para pulverizar desinfestantes em possíveis áreas contaminadas

O Erico é um jovem Cabo-verdiano de Porto Novo em Santo Antão. Em 2019, com o apoio da fundação Tony Elumelu, criou a sua empresa PrimeBotics, Lda. para atuar no ramo da robótica, focada no desenvolvimento de pequenos robôs para fins educacionais, design/impressão 3D e construção de grandes drones para serem utilizados na agricultura e no reflorestamento. O seu objetivo é criar soluções tecnológicas para ajudar agricultores, organizações governamentais e ONG´s ligadas à agricultura e educação em Cabo Verde e em todo o mundo.

Em tempos de COVID-19, o PrimeBotics alterou a sua ação no mercado, no sentido de dar resposta às necessidades que se põe:

. Utilizou impressoras 3D para produzir viseiras e óculos de proteção, que foram doadas ao Hospital de São Vicente e Santo Antão. Neste momento momento está a preparar os seus drones para
. Utilizar o mecanismo de pulverização de pesticidas e fertilizantes (projeto original), para pulverizar desinfestantes em possíveis áreas contaminadas;
. Transporte rápido de espécimes para análise, materiais médicos, medicamentos entre outros bens, para populações isoladas. Os seus drones conseguem viajar longas distâncias e o maior carrega até 5KG, tem sistema de navegação GPS, comunicação DataLink e pode ser operado remotamente ou de forma autónoma.

JBey: Grogue da Brava quer entrar no mercado da Praia

A marca JBey, especializada em grogue velha, do produtor José Andrade, foi recentemente lançada na ilha do Fogo, no mês de abril, onde a recetividade foi muito positiva.

Jbey tem três produtos no mercado: grogue com um ano, grogue de 4 anos e grogue de 7. As bebidas têm sido especialmente procuradas por emigrantes de passagem na ilha da Brava que de boca em boca descobrem o produto.

A bebida espirituosa é vendida a um preço superior no mercado devido a um processo de valorização que José Andrade quer trazer ao produto em comparação com alguns Rum vendidos no mercado internacional, não esquecendo que Rum é a categoria de bebida em que tem sido inserido o grogue na altura da exportação para os mercados especialmente do AGOA (African Growth and Opportunity Act).

“É uma bebida para ser bebida em ocasiões especiais”, afirmou o seu produtor, relembrando que já foi considerada pelo guia turístico francês Le Cap Vert como estando “entre os melhores do arquipélago”.

Mas mais que promover o seu produto, José Andrade, quer promover a sua ilha, o seu arquipélago e o grogue em geral de forma a que a sua marca e outras nacionais se possam encontrar entre as melhores prateleiras das lojas internacionais, identificadas como produtos de elevada qualidade.

Para isso, a valorização tem de começar primeiro no seu país. Sendo que a quantidade de produção é reduzida, e dependente das condições climatéricas do país, “o grogue tem de ter um conceito diferente, de uma bebida com classe”. O próximo passo será ter uma representação na Cidade da Praia, que deverá acontecer antes do final do ano.

Aliado à produção de grogue, José Andrade construiu um trapiche que tem sido considerado como um espaço de atração turística na vila de Fajã D’Água.